18 de dezembro de 2012

Reflexões


Dois meses sem escrever e como dois meses não são dois dias, não vou nem tentar atualizar o blog com tudo o que aconteceu nesse tempo, senão o texto vai ficar enorme, cansativo e vocês não vão conseguir passar da primeira página.

Na próxima quinta, completo 35 anos e com a proximidade da data, tenho me percebido mais reflexiva sobre a minha vida. Acho que todo mundo fica assim perto de aniversário. A gente começa a pensar em tudo o que passou, nos caminhos que percorreu para chegar onde estamos; pensamos no que poderíamos ter feito de maneira diferente, nas coisas que faríamos da mesma forma, nas conquistas, nas perdas, nos sonhos realizados.

Eu sou muito grata a Deus pelos anos que vivi até aqui, especialmente pelo último. O ano de 2012 foi muito bom pra mim e para a minha família. Não que eu tenha tido apenas momentos bons, pelo contrário, tive bastantes lutas, mas no fim, me vi vencendo todas as dificuldades, superando os obstáculos e me tornando alguém realmente melhor. Todo ano eu peco a Deus um presente no meu aniversário e tenho repetido o mesmo desejo nos últimos anos. Ele tem me presenteado com isso, e me sinto realmente feliz e grata, por que Ele tem me dado o que considero o mais importante nessa vida: mais Dele.

 Agora, mudando de assunto, como tem sido a preparacão de natal de vocês? Essa época é muito corrida, cheia de comemoracões e afazeres, né? Por aqui tem sido assim. Como eu e o Miguel fazemos aniversário em dezembro, estou a todo vapor com os preparativos para o casamento e vamos viajar no próximo sábado, nossa correria tem sido ainda mais intensa. Mas, eu gosto muito dessa época. Claro que tem o frio, que não facilita muito as coisas, mas em outros lugares tem o calor excessivo que também não ajuda, né?


Deixo as fotos para ilustrar alguns momentos bons dos últimos meses. Assim não fica tao cansativo. Obrigada a todos que tem passado por aqui, mesmo quando não tem post novo. O carinho de vocês tem feito uma grande diferença na minha vida.



17 de outubro de 2012

Vestida pra casar!

O blog tá de cara nova, acompanhando o novo momento que estou vivendo. Lembra que eu disse aqui, que estava organizando o meu casamento religioso? O tempo passou, eu não falei mais nada do assunto e acabei desistindo. Na verdade, me assustei com o valor de um casamento e não estava disposta a gastar tanto dinheiro em uma festa.

Mas, o tempo passou, o sonhou continuou aqui dentro do coracão da noiva e do noivo também. E já que em abril do ano que vem, vamos fazer cinco anos de casados (a gente se casou apenas no civil), decidimos que seria a ocasião perfeita para realizar o nosso sonho da maneira que a gente sempre quis, sem precisar gastar rios de dinheiro para isso, mantendo as nossas cabeças nas nuvens, mas os pés sempre no chão.

Então, já há alguns meses eu respiro casamento. Não contei aqui antes, por que esperei confirmar e pagar alguns fornecedores, para ter certeza que dessa vez era pra valer. Gente, é pra valer mesmo! Eu vou me casar! E já até experimentei um vestido de noiva! Já tenho a data marcada, o lugar escolhido e reservado, já tenho cerimonial e estou olhando cada detalhe com toda a dedicacão, carinho e zelo de uma noiva delirantemente feliz e sonhadora. Já até fiz o Save the Date e estou me segurando para não mandar pra todo mundo cedo demais.

Não está sendo fácil organizar tudo à distancia. Quem me conhece sabe que sou daquelas que gosta de colocar a mão na massa e resolver tudo. Mas, estou tendo que me adaptar, pesquisar, sonhar e escolher cada detalhe desse dia, vencendo a barreira da distância. Gente, casar é bom demais, né? Com o mesmo marido então, nem se fala! Mas, organizar casamento não é só flores, como todo mundo pensa. Dá trabalho, emagrece algumas, engorda outras (no meu caso!), embranquece os cabelos. Mas, é aquele sofrimento que toda mulher quer.

Então é isso. Até abril do ano que vem, esse novo template e assunto, provavelmente, vão estar estampados por toda parte onde a Liza passar. E que esse assunto não os canse e os leve pra longe daqui, viu?. E que esse assunto, também nos leve a pensar que todos somos noivas, a espera do nosso Noivo, do Amado da nossa alma. E que como noiva zeloza e amada, temos que nos preparar cuidadosamente para o dia em que estaremos face a face com nosso noivo, nosso amado Jesus. O casamento está próximo!!!

12 de outubro de 2012

A minha infância

A Beth propôs uma brincadeira gostosa para o dia das crianças. Nos convidou a transpor as barreiras do tempo, voltar ao passado, à infância e falar um pouco do que a gente viveu naquela época, que ouso dizer, é a mais colorida da vida de cada um. Pena que a gente só percebe a leveza daquele tempo, quando ele já passou e quando já fomos contaminados pelo vírus da seriedade da vida adulta.

Eu me lembro de alguns cheiros da minha infância: guaraná brama que nunca faltava na merendeira, marrom glacê, cheiro da fábrica de biscoitos... Eu me lembro do gosto do mel que o papai sempre trazia, do chup chup de maracujá, bala de maca verde e também do biotônico fontoura que a gente tomava a contra gosto para ficar forte. Me lembro de tomar muitas injecoes besetacil e de pensar que não existia dor maior que aquela no mundo. 

Me lembro de brincar e de brigar muito com o meu irmão. Da alegria e comemoracao com a chegada da minha irmã. Ah, me lembro de um bolo de palhaço com cabelo de fios de ovos, dos salgadinhos e da alegria da comemoracao de um dos meus aniversários. Das minhas bonecas preferidas, das minhas roupas preferidas, de alguns bons amigos... Do carinho e do cuidado dos meus pais. Que delícia voltar ali! 

A vida passa rápido demais e a gente cresce! Não deveria crescer, mas cresce! E abre mão da inocência da infância, e complica o que deveria ser tão simples. Perdemos tempo colecionando mágoas e nos esquecemos que quando eramos crianças era tao fácil perdoar, apagar da memória e voltar a brincar. Ah, como seria bom se vívessemos como crianças, mesmo já sendo velhos! Difícil? Pode ser que sim. Mas, impossivel não é! 

Feliz dia das crianças para a criança que vive em você!






9 de outubro de 2012

Um mês depois

Hoje o Miguel completou um mês na escolinha nova e esse aniversário me trouxe à memória todos os sentimentos que eu carregava antes dele começar. Eu escolhi a escola que me disseram ser a melhor da região, pedi a Deus que nos desse uma casa perto dela e que nos desse uma vaga para o Miguel, se essa fosse a Sua vontade. E aconteceu tudo da maneira como eu havia pedido à Ele. Eu estava excitada, feliz e segura que ele teria uma nova chance. Uma chance bem diferente das chances que ele tinha recebido até então. 

Acho que já contei aqui no blog, o quanto foi difícil para nós na escolinha anterior. Por causa do atraso de fala do Miguelzinho, a dificuldade de se comunicar e por não ser entendido por nenhuma outra criança ou adulto, ele criou um método de se defender e de expressar o que queria e era muito agressivo com as outras crianças. Ele foi chamado de "criança problemática" e mesmo depois, quando já podia conversar, quando já não mordia mais, ninguém fazia a menor questão de entendê-lo. As portas estavam sempre fechadas para tudo o que a gente pedia. O direito dele era de estar na escola três horas por dia, metade do que as outras crianças ficavam e para todo o resto a resposta era um duro não. Foi um tempo difícil, de muita dor e de muitas provacoes. E então um tempo novo chegou para nós!

A escola nova só oferecia vagas para crianças que ficassem acima de 8 horas por dia. Isso pra mim foi um choque. Ok, eu sabia que ele precisava de contato com a língua alemã e com outras crianças, mas nunca tinha passado sequer pela minha cabeça, que meu filho iria comer fora de casa e ficar tanto tempo longe de mim. Outro choque, foi que nos primeiros três dias eu precisaria estar com ele o tempo todo na escolinha, facilitando a adaptacao dele. Seria bom se eu tivesse alguém que cuidasse do Davi, mas eu não tinha e tive que levar o pequeno junto, e não foi nada fácil controlar um bebê no meio de tantas crianças.

Naqueles dias, percebi o quanto o Miguel era importante e bem vindo lá. Hoje sou agradecida por aqueles longos três dias. Eu nunca escondi o histórico de agressividade dele, nunca escondi o problema de fala e ninguém nunca olhou o meu filho diferente de qualquer outra criança de lá. O Miguel se adaptou à tudo, inclusive à comida. Nunca foi agressivo, consegue se comunicar e tem amigos. Ele adora ir para a escolinha, se sente bem e feliz lá. Tem dias que me pede para buscá-lo mais tarde, por que quer ficar mais tempo. 

No primeiro dia eu senti uma confusão de emocoes. Uma parte de mim estava feliz, outra tao amedrontada... Eu sabia que seria um novo desafio e carregava tantas experiências anteriores ruins, que por mais que acreditasse que seria diferente, em alguns momentos eu imaginava que passaria por todos os problemas e preconceitos novamente. 

Hoje, um mês depois, o meu coracão se enche de gratidão! Todas as experiências difíceis, serviram de degraus para o que estamos vivenciando hoje. Foi um  tempo difícil, mas necessário para o crescimento de cada um de nós na nossa família. A dor é ruim no momento que vivemos, a provacão parece sempre um obstáculo grande demais.  Mas, ao sair do deserto, quando olhamos para trás, vemos tudo o que vamos vencendo ao longo da nossa caminhada. Percebemos que as aflicoes nos aproximam mais de Deus, e que elas são pequenas demais perto do que Ele já levou por nós. E  nesse momento a gente se enche de forca, fé e gratidão. 

Nada é para sempre, nenhum problema, nenhuma luta. Tudo passa tao rápido, que quando nos damos conta, o hoje já se fez amanha. E assim vamos caminhando, certo de que novas aflicoes surgirão no caminho. A gente não está livre delas num mundo tao contubardo quanto o nosso, mas tenho certeza que a vitória estará sempre lá para àqueles que tiverem fé.

21 de setembro de 2012

Carta de uma mãe com câncer

"Esta é uma carta escrita por Laura Gaultney Black para seus 3 filhos de 4, 7 e 9 anos. Aos 32 anos de idade, Laura descobriu que tinha câncer de mama quando estava grávida de sua terceira filha. Ainda grávida, ela sofreu uma mastectomia e teve sua filha via cesariana ainda com 33 semanas de gravidez, a fim de começar imediatamente a quimioterapia. O câncer de Laura foi curado. 

Porém, 8 meses mais tarde, ele retornou e se espalhou para outros órgãos, como o pulmão. Durante 5 anos, Laura lutou contra esse inimigo silencioso que aos poucos a matava. Durante esses 5 anos, Laura esperou por um milagre de Deus, sabendo que não existia nada na medicina que pudesse curá-la. Diariamente, ela orava e pedia que Jesus a concedesse o privilégio de criar seus 3 filhos, mas que a vontade dEle fosse feita, e não a dela. Como uma serva boa e fiel, Laura combateu o bom combate. Com dignidade, ela completou a carreira e guardou a fé. 

Deus não concedeu o milagre que ela tanto pediu, mas como uma filha obediente ela foi fiel até a morte. Dois dias antes de morrer, Laura escreveu em seu blog, “chegou a hora de terminar essa corrida do câncer”, e morreu dizendo “eu terminei, mas eu não desisti”.

Num mundo em que o Evangelho tem sido usado como produto de barganha para ganho e benefício próprio, o testemunho dessa irmã de fé é um encorajamento, como também um tapa na cara de todos nos cristãos que vivem esperando de Deus uma vida confortável, cheia de saúde, riqueza e felicidade. Como Laura disse nessa carta, viveremos estas coisas plenamente quando estivermos na presença de Deus. Hoje, Laura entende completamente o que agora só entendemos em parte."

Marcela Soares Arledge

Queridos Will, Gracy e Caroline,

isso é o que eu quero que vocês saibam a respeito de sofrer pelo Evangelho.

Ninguém te avisa que talvez a parte mais difícil de viver seja morrer. Desde o dia 23 de abril de 2012, meu corpo tem continuamente falhado. Eu já não posso mais respirar sozinha sem a assistência de máscaras de oxigênio. Posso andar apenas curtas distâncias. Minhas costas muitas vezes travam. Estou cansada. Coisas que costumavam ser tão simples agora parecem muito difíceis. Parte meu coração não poder cuidar mais de minha família e até de mim mesma. Ah! Como eu adoraria ir pegá-los na escola mais uma vez. Como desejo poder sentar com todos vocês em uma mesa de restaurante e comermos uma refeição sem minhas crises de tosse ou sem estar conectada a um tanque de oxigênio. Só poder levá-los à piscina por uma tarde e assisti-los nadar seria delicioso. Este é certamente o momento mais difícil que já encarei.

Will, esta manhã acordei ao som do seu choro, deitado ao meu lado na cama. Quando lhe perguntei o que havia de errado, numa tentativa de me proteger, como você sempre faz, você simplesmente disse “Eu tive um pesadelo”. Mas eu te conheço, e eu sabia o que você estava pensando. Apesar de não termos conversado sobre isso, você consegue ver. Você e Gracy conseguem ver o que está acontecendo diante de seus próprios olhos. Mas pela graça de Deus, acho que Caroline ainda é muito novinha para entender. Ver-me assim parte seu coraçãozinho, e vê-lo assim parte o meu em mil pedaços. Eu simplesmente lhe segurei e disse “Não tem problema chorar. Eu já chorei. Papai já chorou. Isso tudo é muito triste. Mas não vamos desistir de ter esperança. Vamos continuar pedindo por um milagre”. Então nós dois oramos juntos. E aí, você dormiu.

Sim, meu corpo está morrendo. Não há qualquer esperança na medicina. Não há esperança em nada, apenas em um milagre. Mas isso já é suficiente. Deus é suficiente. Vou esperar nEle. Minha oração é exatamente a mesma de Cristo antes de encarar a cruz. “Meu Pai, se possível, passe de mim este cálice; no entanto não seja feita a minha vontade, mas a Sua”. Apesar de ser muito difícil pra eu orar pedindo para que a vontade de Deus seja feita, porque quero muito viver, não ouso terminar essa oração de outro modo porque creio que pedir por qualquer coisa que não seja a perfeita vontade de Deus seria pedir por algo imperfeito para todos nós. Amo tanto vocês que não posso pedir nada que não seja a vontade perfeita do Pai. Não posso compreender como eu morrendo seria o melhor para todos nós, mas confio que se é isso o que Deus decidir, então é o melhor. Isso é apenas um pouquinho do que andar pela fé e não por aparências significa. Qualquer que seja o resultado, iremos louvar a Deus sabendo que é a sua vontade boa e perfeita.

Antes de ficar muito doente, fui convidada para dar um testemunho em um estudo bíblico de mulheres na igreja de Briarwood a respeito de sofrer pelo Evangelho. Depois que fiquei muito doente, percebi que provavelmente eu não poderia estar presente para dar esse testemunho. Por isso, decidi escrever o testemunho, para que outra pessoa lesse para o grupo de mulheres. Decidi que esse conceito é tão importante que seria bom o incluir em umas das cartas que estou escrevendo para vocês.

Paulo diz a Timóteo: “participa comigo dos sofrimentos, a favor do evangelho, segundo o poder de Deus, que nos salvou e nos chamou com santa vocação; não segundo as nossas obras, mas conforme a sua própria determinação e graça que nos foi dada em Cristo Jesus, antes dos tempos eternos, e manifestada, agora, pelo aparecimento de nosso Salvador Cristo Jesus, o qual não só destruiu a morte, como trouxe à luz a vida e a imortalidade, mediante o evangelho, para o qual eu fui designado pregador, apóstolo e mestre e, por isso, estou sofrendo estas coisas;” (2 Timóteo 1:8-12). Então, no capitulo 2:3, Paulo diz: “Participa dos meus sofrimentos como bom soldado de Cristo Jesus.”.

A primeira pergunta que você deve se fazer é: “Por quê?”. Por que um Deus amoroso permitiria que Seus preciosos filhos sofressem ou até mesmo os chamaria a sofrer? Quero dizer, Deus pode fazer qualquer coisa. Por que o Evangelho não pode ser: “Venha a mim e te darei saúde, riquezas e felicidade”? O Evangelho não podia ser assim? Alguns falsos pregadores da Palavra dizem ser esse o Evangelho. Nada poderia ser mais distante da verdade! Existem elementos de saúde, riquezas e felicidade na caminhada cristã, mas não acontece do lado de cá.

O problema é que somos criados com mentes finitas. Somos limitados em nossos pensamentos porque foi assim que Deus nos criou – limitados. Nenhum de nós pode entender plenamente a eternidade. Podemos tentar. Podemos chegar perto, mas não podemos realmente entender. Então, aqui estamos nessa terra, com nossas mentes finitas, tentando entender um conceito que realmente não podemos compreender – então falhamos. E, quando falhamos, começamos a focalizar e nos concentrar naquilo que compreendemos, no que sabemos: essa vida. E quando focalizamos nessa vida, tudo parece tão sofrido, toda nossa dor, todos nossos problemas parecem tão dolorosos, tão equivocados, tão abandonados por Deus. Quando, na verdade, sofrimento não deveria ser uma surpresa para nós. Deus não apenas nos diz para esperamos por sofrimento, Ele quer que vejamos o sofrer por Ele como um privilégio. Por quê?

Sofrimento acrescenta ao Reino. Nada atrai mais a atenção das pessoas do que ver alguém sofrendo e dando um testemunho cristão ao mesmo tempo. Vamos ser honestos, você pode cantar Aleluias quando você ganha na loteria, quando seu primeiro netinho nasce no dia do seu aniversário ou quando você foi promovido, mas quem se importa? Não estou dizendo que não é bom louvar a Deus por essas coisas. Claro que você deve louvá-Lo por essas coisas e se alegrar nelas, mas isso não leva as pessoas em direção à cruz. Quando você se alegra e O louva nos momentos bons, isso é esperado. Entretanto, quando você se alegra e louva a Deus em meio ao sofrimento, isso direciona as pessoas à cruz de Cristo. Não há nada em nós que escolheria fazer isso, então quando outros nos veem tomando uma atitude como esta, eles percebem que é somente pelo sangue de Jesus. Apenas o amor de Jesus, somente a fidelidade do Pai, poderiam atrair nossos corações para tão perto dEle durante essas situações.

É por isso que sofrer pelo Evangelho é um privilégio tão grande – esse sofrimento nos dá a chance de levarmos outras pessoas até Jesus. E não é para isso que existimos? Temos toda a eternidade para viver com Jesus em saúde, riquezas e felicidade. Mas temos apenas esse breve sopro de vida na linha do tempo da eternidade para levarmos pessoas até Cristo. E essa é a única chance que temos de criar qualquer tipo de impacto verdadeiro durante nossas vidas – levar pessoas a Jesus.

Se Deus tivesse me perguntado: “Ei Laura, você quer ter câncer por 5 anos e deixar seus preciosos filhos assistirem seu corpo adoecer e minguar enquanto se preocupam se vão ou não perder sua mãe, não tendo nada que você possa dizer ou fazer para confortá-los, por que você mesma não saberá se irei curá-la ou levá-la? Isso irá trazer pessoas até Mim, o que você acha?”. Não sei o que eu teria dito. Gosto de pensar que eu confiaria em Deus o bastante e teria fé o suficiente para dizer: “Qualquer coisa por Ti, Senhor”, mas não sei. Mas Deus não me deu uma escolha. Da mesma forma, na vida, vocês não terão uma escolha de sofrer ou não. Vocês, meus queridos filhos, já foram expostos ao sofrimento através dessa minha jornada. Vivemos num mundo falho e caído, e vocês irão sofrer. A pergunta é: vocês irão sofrer em vão ou irão sofrer pelo Evangelho? Escolham sofrer pelo Evangelho. O que isso significa é que quaisquer que sejam as circunstâncias que se apresentarem em suas vidas, vocês irão escolher lembrar que Deus sempre os ama e que Deus é sempre bom. Se vocês realmente acreditarem nessas verdades, então terão a fé necessária para andarem com segurança no meio da escuridão. Se tiverem a fé para continuarem andando, vocês O verão ao longo da jornada e acharão lugares dignos de louvor e ações de graças. Quando vocês acharem lugares ao longo da jornada dignos de louvor e ações de graças, então vão e compartilhem isso com outras pessoas, e isso as levará até Jesus. Se vocês direcionarem pessoas para Cristo, então vocês terão sofrido pelo Evangelho.

Deus não me deu a opção de andar ou não por esse caminho, mas Ele tem me dado a misericórdia, a compaixão e a graça para andar por esse caminho. Descobri ser realmente verdade que as Suas misericórdias se renovam a cada manhã. Sua compaixão nunca falha. Sua graça é realmente suficiente. Até mesmo esse caminho duro e longo que tenho seguido tem sido repleto de bênçãos sem medida. Houve muitas, muitas pessoas que sofreram pelo Evangelho e nunca viram a recompensa por seus sofrimentos até que chegaram ao céu. Deus tem sido gracioso ao me permitir ver alguns dos benefícios gerados através desse sofrimento. Pessoas já me disseram que vieram a conhecer a Cristo por causa do meu sofrimento, outras aprofundaram na fé por causa do meu sofrimento, que a fé delas é maior por causa do meu sofrimento. Isso é suficiente. Espero que seja suficiente para vocês também. Se Deus escolher me levar de volta ao lar, por favor, saibam que tudo isso não foi em vão. Por favor, saibam que Deus permitiu que o sofrimento de nossa família levasse pessoas até Ele. Espero que vocês se alegrem nisso. Eu sinto muito, muito mesmo pelo sofrimento de vocês. Nem tenho palavras que possam adequadamente expressar o quanto sinto por vocês. Mas minha oração é que a glória de Deus seja maior que a dor que vocês estão sentindo. Amo tanto vocês três. Obrigada por andar por esse caminho comigo. Obrigada por me amar, apoiar, orar comigo e por mim, e por estarem ao meu lado todos os dias. Vocês não fazem ideia do quanto isso me ajudou. Sou para sempre grata.

Amo vocês,
Mamãe. 

Por Laura Gaultney Black Copyright © 1997-2012 CaringBridge®, a nonprofit organization. 
Tradução: cedida gentilmente ao voltemosaoevangelho.com por Marcela Soares Arledge.

10 de setembro de 2012

Desfralde tardio (e ainda assim no tempo certo)

Eu pesquiso muito sobre maternidade na internet. Mas, quando fui pesquisar sobre o desfralde tardio, observei que quase não existem textos que tratam desse assunto. Eu não acredito que algumas mães não tenham tido dificuldade em desfraldar os seus filhos, e que só tenham conseguido quando eles estavam mais velhos do que a idade "normal" que dizem por ai. Acho que a questão é a vergonha mesmo, afinal espalhar aos quatro ventos que você "falhou" desfraldando o seu filho aos 4 anos não parece ser um trofeu que alguém queira levantar, ou melhor, quase ninguém, por que eu quero. 

Eu tentei desfraldar o Miguel três vezes. Desisti nas duas primeiras, quando percebi que ele ainda não tinha maturidade suficiente para isso. Na primeira vez, ainda havia o empecilho da língua. Ele demorou demais para falar e não pedia para ir ao banheiro. Ah, quantas vezes as pessoas me olharam com olhar de desaprovacao por ele com três anos ainda usar fraldas. A minha consciência mesmo lançou sobre mim inúmeras dúvidas que me fizeram questionar a minha capacidade como mãe. Por vezes achei que o dia do desfralde jamais chegaria. Enfim chegou e eu aprendi muito nesse tempo e nessas três tentativas, e quero compartilhar um pouco com vocês.

A primeira coisa: não existe idade certa para desfraldar uma criança. Ela pode estar pronta antes dos dois anos e pode só estar pronta aos quatro anos e meio, como foi o meu caso. Imagino que exista crianças que precisem de mais tempo que isso. O segredo é observar a criança, conhecê-la e não submetê-la à algo para qual ela não está preparada. E não pense que o tempo certo não vai chegar ou que você não saberá reconhecer os sinais. Chegará e você também estará preparada, por que nós também precisamos de preparacao já que somos essenciais para tornar esse processo mais fácil para os nossos filhos.

Eu sempre soube que seria um tempo difícil, que eu teria que limpar xixi no chão, no sofá e em lugares inimagináveis. Confesso que algumas vezes joguei cuecas no lixo, por achar impossível limpá-las. As mamães do tempo da fralda de pano eram mesmo heroínas, não eram? Em alguns dias, ou melhor em muitos, eu quis voltar atrás, desistir e continuar com a fralda. Inclusive desisti nas primeiras duas vezes, né? Mas, se você sente que a criança está pronta, vença as dificuldades junto com ela e saiba que essa fase passa muito rápido. Não volte atrás, siga em frente, afinal é um processo pelo qual a gente terá que passar,.

O tempo do desfralde é algo bem pessoal. Com o Miguel durou menos de duas semanas, mas algumas amigas levaram meses até conseguir. Não fique comparando o seu filho com outras crianças. Ele é único e especial. Para algumas coisas ele terá facilidade, para outras não. Lembre-se cada um tem um dom, cada um tem uma funcão, assim como cada orgão do nosso corpo que tem uma funcão e que só juntamente com todos os outros órgaos podem fazer com que o corpo funcione perfeitamente. E não dê ouvidos à opiniões que te fazem mal, não dê ouvidos ao que te faz sofrer, ao contrário do que dizem ai, a voz do povo não é a voz de Deus e Ele não julga, não faz diferença entre as pessoas, ao contrário, ama você, o seu filho e no tempo certo é quem capacita vocês para todas as coisas.

Dizem que o desfralde noturno leva mais tempo. O Miguel já não fazia xixi a noite meses antes do desfralde diurno. Como eu disse, cada criança é uma criança. Sabe como eu fiz para saber se podia mesmo tirar a fralda da noite? Comecei a olhar a fralda dele bem cedinho, assim que ele acordava. Só não deixava passar muito tempo, por que normalmente as crianças fazem xixi assim que acordam, o que poderia me confundir. Dizem que se em três de cinco dias a criança acorda seca, ela está pronta.

E por fim, comemore a vitória de vocês! Deixe a criança saber o quanto você tem orgulho das conquistas dela. Engraçado que até hoje o Miguel sai do banheiro me gritando para contar que fez caca e pede para deixar para o pai ver quando chegar. E a gente ainda comemora e vibra juntos! Claro que as vezes escapa um pouquinho de xixi, quando a brincadeira está divertida demais e a pessoa se esquece de todo o resto. Nessas horas não cobre, não brigue, não se estresse. Diga a ele com todo o amor do mundo o quanto isso é normal, afinal me fala se você depois de desfraldado nunca fez xixi na cama? Eu fiz e como fiz!

4 de setembro de 2012

Farofa

Diálogo 1:
Mamãe: O que você quer de café da manha?
Miguel: Farofa.

Diálogo 2:
Mamãe: Qual a sua comida preferida?
Miguel: Farofa SEM feijão.

Diálogo 3
Miguel: Oba, tem farofa! Tem feijão?
Mamãe: Não.
Miguel: Uhuuuuuu!!! (comemorando muito)

Quem adivinhar o que tem no cardápio aqui de casa dia sim e no outro dia também ganha um beijo! :)

31 de agosto de 2012

Setembro

Vocês perceberam a minha looonga ausência? Pois é, eis que eu sumi de novo! Vontade mínima de postar, sol e calor para aproveitar (enquanto ainda dá tempo) e novas prioridades nesse momento da minha vida. As vezes dá saudade de escrever e eu até tento. Tenho novidades, tenho ideias, quero compartilhar tantas coisas, mas as palavras não vêm, e daí, vão se formando uma infinidade de textos nos meus rascunhos, a maioria apenas com títulos ou com as primeiras frases. Sabe que se juntar tudo, provavelmente vou ter um post interessante. Quem sabe, né? Mas, não hoje!

Hoje eu só passei mesmo pra dizer oi, dar boas vindas ao novo mês que começa amanha. Mês que traz consigo o outono, a mais linda das estacoes por aqui. Mês que promete boas mudanças na minha vida e restituicão na minha casa. Que setembro chegue bem e que traga boas surpresas para todos nós! Eu volto, prometo!!!

Fonte imagem: http://ibaalianca.blogspot.de/2012/01/blog-post.html

14 de agosto de 2012

Super heróis

Em busca de um texto ideal para um projeto do qual estou participando com outras mães da blogosfera materna, me deparei com esse texto lindo que escrevi para o Miguel quando ele era bem pequeno. O tempo passou, o sentimento é o mesmo, só que hoje a certeza que tenho em super heróis se multiplicou por dois. Não é que o Super Miguelzinho e o Super Davi me provam que o mundo está repleto de super heróis, a cada dia que sou presenteada em tê-los juntos de mim! Olha se não vale a pena ler de novo.

Há quem diga que super heróis não existem. Outros dizem que se tratam de personagens de filmes e desenhos animados e que são dotados de super poderes usados na luta entre o bem e o mal.

Dizem por ai que eles usam roupas especiais, vivem em esconderijos, usam disfarces. Fazem o que for necessário para garantirem o bem, a paz e o combate ao crime.

Embora a maioria das pessoas pense que se trata de um personagem fictício, posso garantir que eles existem.
Meu super herói não vive numa batcaverna, não escala paredes, não solta laser através dos olhos, não tem o poder de se teletransportar...
Mas ele chegou dotado dos "seus super poderes" na hora exata para me salvar. Desde a sua chegada, a minha vida se transformou em algo muito mais especial. 

Ele sempre arranca um sorriso dos meus lábios, mesmo naqueles dias em que tudo está cinza lá fora. É meu companheiro e já me faz entender que nunca mais estarei sozinha, que sempre poderei contar com ele, que seu amor será sempre puro, verdadeiro, incondicional.

Você também acredita em super heróis? Esteja bem atento, pois eles estão por toda parte, mas só manifestam seus poderes quando estão cercados de muito amor.

7 de agosto de 2012

O salário de uma mãe

 Olha ai na foto o salário que eu recebo todos os dias...

Hoje comecei o dia brincando com meus dois filhos e por alguns instantes fui levada à vida que eu levava antes deles. Eu trabalhava fora, andava sempre com unhas feitas, cabelo escovado, salto alto. Passeava todos os fins de semana, encontrava amigos, comia em restaurantes, ia ao cinema. Eu tinha um bom salário no final do mês e era respeitada e admirada por outros pela boa profissional que eu era.

De volta à minha vida atual, percebi o quanto sou mais feliz agora. Descabelada na maior parte do tempo, unhas raramente feitas e o mais perto que passo do cinema é para ver filmes infantis. Quando digo que sou dona de casa e mae, recebo olhares de pena, nunca de admiracao. Fechei os olhos, respirei fundo e agradeci a Deus o privilégio que tenho de estar sempre com os meus filhos. Agradeci pelo privilégio de não ter que sair todas as manhas para trabalhar, tendo que deixá-los ao cuidado de outros,  por vê-los crescer cada dia um pouquinho, por estar junto deles em cada conquista e por ter nas minhas mãos a responsabilidade de criá-los e de conduzi-los na formacão do caráter deles. 

Por mais que algumas pessoas me questionem se não fico entediada, se não me arrependo, se não quero voltar a trabalhar fora. Por mais que algumas pessoas me digam o quanto é bom receber um salário no final do mês e gastá-lo no salão de beleza, em lojas de roupas, teatros, cinemas, baladas. Por mais que a vida de mãe e dona de casa não seja a mais glamourosa... A verdade é que eu recebo o meu salário todos os dias e nem se eu trabalhasse na funcão mais bem paga desse mundo, receberia algo de tanto valor quanto o que tenho recebido cada vez que um dos meus filhos expressam em palavras ou sorrisos o amor e a felicidade que sentem por me terem sempre por perto.

30 de julho de 2012

Pituco


Mamãe: Vem cá, Pituco da mamãe!

Miguelzinho: Eu não sou Pituco!!!

Mamãe: E quem é o Pituco da mamãe?

Miguelzinho: O Davi!

Mamãe: E você? O que você é então?

Miguelzinho: Eu sou o seu AMOR!

É por essas e outras que o coracão das mães devem ser fortes...

26 de julho de 2012

Os primeiros passos do Davi

Davi, você deu os seus primeiros passos! A mamãe e o papai, boquiabertos e empolgados com o seu feito, não seguraram a alegria e o orgulho. Rimos, gritamos, comemoramos junto com você mais essa conquista! Desde então a mamãe anda com a câmera na mão, tentando registrar em vídeos e fotos a emocao que foi te ver andar pela primeira, pela segunda, pela terceira vez. Boba, eu, né? Acho que você pensa o mesmo, por que é só eu chegar perto para te filmar que você cai na gargalhada, desiste de andar e engatinha de um lado para o outro.

Você tá crescendo, pequeno! Nem sei até quando poderei te chamar assim. Vendo você andando de um lado para o outro, sem se apoiar, em busca do que quer alcançar, vejo o quanto você irá longe. Vendo você abrindo as portas do armário, pegando suas papinhas e vindo em minha direcao, vejo que você já sabe mesmo o que quer. Eu já disse o quanto me orgulho de você? Já disse que o meu coracao transborda de amor e felicidade cada vez que olho pra você? 

Você com a sua doçura, seu sorriso aberto e bom humor... Você que adora se aconchegar no meu peito, que se acalma só de ouvir a minha voz, que pula de alegria quando o papai chega do trabalho. Você que vive atrás do seu irmão querendo interagir com ele. Que adora passear, que adora ligar o video game com a mãozinha, que só gosta de comida de gente grande. Ah, Davi! Você colore a minha vida! Você me faz feliz! Tá certo que você não me deixa dormir direito, me dá uma canseira danada querendo o meu colinho e fica enjoadinho com os dentinhos, mas isso vai passar e eu já sei, e como sei, que sentirei falta e uma eterna saudade desse tempo...

Cresça, pequeno! Ande, corra, vá sem medo. A vida trará lindas surpresas pra você. Papai do Céu te guiará e guardará todos os seus passos, desde esses primeiros, enquanto você viver. Te amo!

25 de julho de 2012

Novos visitantes

O blog tem crescido  e eu estou muito feliz com isso. Muita gente legal tem entrado em contato comigo, através de comentários, emails e facebook. Gente que está passando pela adaptacao em um país novo, que tem sofrido com a readaptacao na volta ao Brasil, gente que está vindo para a Alemanha para morar, para casar, para passear e precisa de dicas. Gente que já mora na terra da batata há tempos e não conhecia o blog. Gente que chegou aqui através do concurso do Limetree, que está com um projeto lindo e reunindo uma mocada muito legal da blogosfera materna. Tem gente que chega aqui através do google, digitando as coisas mais inusitadas e acaba ficando por que gosta do que lê.

É legal como a internet proporciona tantos encontros especiais, diminui as fronteiras e aproxima pessoas tao parecidas, e que provavelmente jamais se encontrariam se não fosse o mundo virtual. Meu post de hoje é para agradecer quem passa por aqui todos os dias, mesmo quando atarefada com a minha vida deixo de postar com frequência. Para dizer que quero muito conhecer todos os blogs e que aos poucos vou colocando a casa em ordem e espero conseguir visitá-los em breve. Para agradecer cada comentário carinhoso, cada email enviado, cada mensagem no facebook, cada novo seguidor. Para incentivar você, que passa tímido por aqui, nunca deixou um comentário, mas tem muitas boas ideias para compartilhar. Espero de coracao que novas, verdadeiras e especiais amizades surjam aqui, como tantas já surgiram fazendo uma diferenca enorme na minha vida. Receba minhas flores virtuais em forma de agradecimento e o meu carinho!

Fonte da imagem: deliciadecasa.com.br

23 de julho de 2012

A primeira festa

Foi a primeira festa na casa nova e também a primeira festa do Davi. Tá certo que o aniversário dele foi em junho, mas como não tinha jeito de comemorar em meio a caixas, a gente esperou que a casa estivesse em ordem. A festa foi perfeita, recheada de delicias e guloseimas, com muita criança fazendo bagunça e amigos que vieram de longe para celebrar conosco a vida do nosso pequeno.

Acho que não tinha como ser melhor, mais especial! Ver a alegria do Davi  fez valer cada minuto dedicado para que tudo ficasse lindo da maneira que ele merece. Como na primeira festa do Miguel, fiz questão de cuidar de cada detalhe com todo carinho e amor. Escolher o tema, a decoracao, fazer o convite bem personalizado, os salgadinhos, os docinhos e até o bolo. Deu trabalho, mas um trabalho gostoso, desses que a gente fica contando os dias para ter que fazer de novo.

Como é gostoso comemorar a vida de um filho, cada momento do ano que passou, cada conquista e aprendizado do filho e também nosso, por que a gente cresce e aprende tanto com os pequeninos. Com eles certamente nos tornamos pessoas melhores. Como foi maravilhoso agradecer a Deus pelo Davi, consagrando o nosso filho em Suas mãos e pedindo para que Ele conceda muitos e muitos anos de felicidade, saúde e bencaos para o nosso pequeno "Tiger".

12 de julho de 2012

Primeiro post na casa nova

Eu sabia que a mudança não seria fácil e já vinha me preparando para dias de trabalhos árduos e muita correria. Calculei as dificuldades, imaginei que seria pedreira empacotar tanta tralheira e depois colocar tudo no lugar. Sabia que no dia "D" estaria sozinha com os dois meninos, numa casa de pernas para o ar, sem a menor infra estrutura. Sabia que nos últimos dias no apartamento velho e nos primeiros no apartamento novo, teria que fechar meus olhos para a bagunça não deixando que ela alterasse o meu humor. Sabia que teríamos que pintar e limpar o apartamento velho. Sabia que os meninos estranhariam e ficariam estressados com tantas novidades.

Eu só não sabia que o Davi resolveria ter mais dentes bem no dia da mudança, que ele teria febre nos primeiros dias, que não dormiria e nem me deixaria dormir, que ia querer ficar no colo o dia todo, que ia chorar sem dar descanso, não só nos primeiros dias, mas nos dez dias seguintes. Também não imaginei que depois que o Davi melhorasse, todos os meus três meninos seriam infectados por uma virose chamada Magen-Darm, ficando três dias sem comer nada, devolvendo até a água que ia no estomago e com uma diarreia terrível. Pausa: Se por um lado a vida ficou um caos por conta do rotavírus, por outro lado eu vivi dias de grandes bencaos vendo a glória e o cuidado de Deus conosco, que contrariando todas as estatísticas e opinião dos médicos, não permitiu que eu também adoecesse, me dando forca e capacidade para cuidar de todos. Despausa

Pedreira, né? Mas, passou! Foi realmente um tempo difícil demais para nós. Não que agora o serviço tenha acabado, mas aos poucos a gente tá conseguindo ajeitar tudo no lugar, os meninos estão voltando a comer e a dormir melhor e acho que daqui a pouco a gente cria uma rotina nova e todo mundo se acostuma com ela. Mudança é assim mesmo; tem o seu lado bom, mas também tem o seu preço. E acho que daqui a pouco eu consigo retomar a minha vida virtual também.

23 de junho de 2012

Novos horizontes

 A partir de hoje, é com essa vista que eu vou me deparar todos os dias quando acordar....

P.S. Esse post foi programado. Estarei sem internet nos próximos dias. 

19 de junho de 2012

Para o meu amado Davi!

Filho amado, que Deus multiplique os seus dias e que te faca muito feliz em cada um deles. Que o Senhor seja o centro da sua vida, que conduza os seus passos, inspire os seus sonhos, dirija cada um dos seus pensamentos. Que suas atitudes agradem sempre o coracão do Pai. Que você se cerque da sabedoria e da prudencia; elas serão luz para os seus passos. Que você cresça e seja um homem segundo o coracão de Deus! Esse é o desejo da mamãe e do papai para o seu primeiro aniversário e para todos os outros que virão. Você é um presente de Deus nas nossas vidas! Amo você, solzinho da mamãe! Parabéns pelo seu dia!

15 de junho de 2012

A falsa imagem da vida perfeita

Este post é candidato ao "Melhor post do Mundo, da Limetree". Nao deixe de votar no texto, clicando na imagem  da Limetree aqui do lado.

Tenho pensado muito em como as pessoas criam fantasias em relação a vida dos outros, principalmente se esse outro mora fora do Brasil. Eu mesma convivo com pessoas que pensam que minha vida é perfeita e que o maior dos meus problemas é pensar como vou gastar os milhões de euros que ganho aqui (isso sem trabalhar, é claro!). Quem dera, hein! Pensam que por eu ser casada, mãe de dois filhos, por não precisar trabalhar e ainda morar na Alemanha, vivo a vida dos sonhos. Mas, devo confessar, mesmo correndo o risco de acabar com essa falsa imagem da vida perfeita, que também sou cheia de problemas.

Minha vida está longe de ser um mar de rosas, tem dias que tenho vontade de sumir, eu também choro, também perco a paciência, também me frustro, também queria ter feito algumas coisas de forma diferente, também tenho sonhos que não se realizaram. Tem dias que me sinto fraca, incapacitada para a maternidade e para o casamento e me pergunto que tipo de mãe e esposa estou sendo para a minha família. Também tenho TPM (marido que o diga), também fico brava e morando longe do Brasil, convivo dia após dia com uma saudade enorme.

Viver não é fácil para ninguém, nem para os solteiros, nem para os casados e muito menos para as mães. Nem para quem mora na Alemanha, nem no Brasil, nem em qualquer lugar desse mundo. Os problemas desconhecem fronteiras, atravessam oceanos e acompanham a gente para onde quer que a gente vá. Quando eu vim pra Alemanha, trouxe alguns na minha bagagem, uns resolvi, outros não e aqui ganhei mais alguns. Coisas da vida! Não estou lamentando, ao contrário. Acho que uma pessoa que vive sem problemas não é capaz de dar valor as coisas boas que ela recebe.

O segredo é aprender a lidar com os problemas, não viver pelos cantos se fazendo de vitima e empurrando a vida com a barriga sem coragem de passar por cima e enfrentar aquilo que te faz mal. Essa lição eu aprendi bem, com o tempo, com a maturidade, lidando com as dificuldades da vida a dois, a três, e agora a quatro. Acho que o segredo da felicidade está ai. Perceber que ser feliz não tem nada a ver com ter problemas. Eles existem e pronto. Ser feliz tem a ver com a maneira como você convive com isso. É preciso aprender que a felicidade não está condicionada a uma vida fácil, e que essa vida perfeita não existe nem em filmes de contos de fadas.

Tem a ver também em não viver fazendo comparacoes. A vida do vizinho ou daquele parente que vive lá na Europa não é melhor que a sua. É vida como a sua; com altos e baixos, momentos bons e ruins. Vai por mim, eles enfrentam as mesmas dificuldades no casamento, na educacão dos filhos e também precisam abrir mão de muitas coisas em funcão de outras. Ser feliz só depende da gente aprender a acreditar nessa grande verdade: a gente pode superar tudo o que vier pela frente, pode vencer todas as dificuldades com a forca e a fé que cada um carrega dentro de si e lembrando sempre que viver por mais difícil que seja, vale muito a pena.

* Este texto foi postado originalmente em 11/05/2012 e foi editado para o concurso.

13 de junho de 2012

Hexenloch (Buraco das bruxas)

O que você pensaria se eu dissesse que passei o domingo no "Buraco das Bruxas"? Pois esse é o nome de um lugar lindo que fica bem no meio da Floresta Negra. No fim de semana, fomos visitar uns amigos que moram numa fazenda lá. Eles levam uma vida bem alternativa, sem internet, televisão e sinal de celular.

Adorei passar o dia no meio da Floresta, cercada pela natureza e longe do barulho da cidade grande, se é que pode-se dizer isso de Villingen, com seus 50.000 habitantes. O que sei é que  não conseguiria viver num lugar desses por mais de uma semana, apesar do Bebeto achar uma vida de sonhos. Agora me diz, você se adaptaria à essa vida longe das facilidades que o mundo moderno oferece?

11 de junho de 2012

Fonte inesgotável

Alguém me explica de onde vem a energia dessas crianças, que fonte inesgotável é essa e se eu compro para mim também? Eu realmente não consigo entender como a mãe de um bebê (ops, menino, afinal ele já tem quase um ano) pode estar acima do peso, correndo pra lá e pra cá, num ritmo frenético que coloca qualquer aula de pilates, zumba ou spinning no chinelo.

Eu decido empacotar umas roupas, levo o Davi para o quarto e ele decide brincar de fazer tudo ao contrário. Para cada roupa dobrada na caixa, duas roupas amassadas e babadas no chão. De repente, a brincadeira fica chata, então ele engatinha para a sala e eu penso que vou ter um pouquinho de paz. Começam os gritos. É o Miguel tentando avisar que nesses segundos que se passaram desde a ida do Davi, o mesmo já escalou o sofá e está arrancando todas as teclas do computador. 

Próxima tentativa: Lavar a banheira. Resultado: Banheira limpa e chão repleto de papel higiênico picado. Será que na cozinha dá pra fazer alguma coisa? Infelizmente nao, por que ele já consegue abrir as gavetas, as portas do armário e já aprendeu a abrir a lixeira também. Eu desisto! Vou ali pra sala, sentar no chão e brincar de lego ou de carrinho com os dois. Fala sério: vida de mãe em algum momento é monótona?

8 de junho de 2012

Tempo de despedidas

Faltam 15 dias para a mudança e já começamos o tempo de despedidas. Mudanças trazem um sentimento bom, mas também causam um sentimento estranho no coracão da gente, já repararam? Eu estou extasiada com as boas coisas que vão acontecer na nossa vida a partir de agora. Também estou com um frio na barriga, um certo medo do desconhecido e com um pouco de pesar do que vai ficar para trás. Coisa normal de ser humano, né? Por mais que a gente não queira, acaba se agarrando ao que tem, e não fomos treinados para abrir mão facilmente de nada. A gente se acostuma e se não tiver coragem acaba vivendo estagnado em algum lugar, perdendo as boas chances que a vida trás, por medo, por comodismo, por não enxergar além.

Essa semana andando pela rua, comecei a pensar o quanto fui feliz aqui em Villingen. Há quase dois anos nos mudávamos para cá, com as mesmas expectativas e medos que hoje sinto em relacão a nova mudança. Não poderia ter sido uma escolha mais acertada. Se eu tivesse que escolher uma palavra para descrever tudo o que vivemos aqui seria "gratidão". Como eu sou grata a Deus por esse tempo de alegria que Ele nos proporcionou aqui. Talvez vocês me perguntem: mas foram apenas momentos bons? Não, de forma alguma! Eu tive bastantes lutas aqui. Mas, quando olho para trás e quando penso nas lembranças que me acompanharão, não penso nos momentos difíceis, mas na superacão de todos eles. Nas vitórias, nas muitas conquistas, nos sorrisos. E o balanco é totalmente positivo. Vou carregar boas lembranças e momentos gostosos demais. E vai ficar uma saudade gostosa desse tempo de alegria...

Ah, mas as despedidas! Dessas não gosto e vou continuar não gostando. Claro que dessas não me verei livre enquanto viver, afinal a vida é feitas de idas e vindas, encontros e despedidas. Vou tentando, então, fazê-las mais divertidas. Bolo, pão de queijo e muitos doces para a despedida na escolinha. Almoço com os amigos do trabalho do Bebeto. Festinha com os coleguinhas da escola de música. Assim vamos vivendo esses dias que nos restam aqui. Empacotando os novos sonhos, abrindo mão de algumas coisas que precisam ser deixadas para trás em funcão de outras que certamente nos farão ainda mais felizes e não se esquecendo nunca de que o que realmente importa vai conosco aonde quer que formos.

A música é antiga, mas vale ouvir e refletir...

6 de junho de 2012

Meu terceiro menino

Tá vendo esse menino verde ai da foto? Pois é, eu nunca falei dele aqui no blog, mas ele é meu menino também. Vai ao supermercado com a gente, leva o Miguel na escola, almoça junto, dorme no cantinho do Miguel e participa de toda a rotina da casa. Engraçado como as crianças criam amigos imaginários, que no nosso caso acabou se personificando no "Jolinchen". 

Na semana passada, por um erro de comunicacao entre eu, Miguelzinho e o papai, esquecemos o nosso amiguinho verde no restaurante de uma grande loja de móveis. O Miguel queria ir brincar na piscina de bolinha, e eu disso que seria melhor o Jolinchen ficar guardado dentro da mochila para na se perder lá. Enquanto eu e o Miguel fomos entregar as loucas sujas, o papai juntou todas as coisas e nos esperou na saída. Perguntei o Miguel pelo boneco e ele disse que o papai tinha guardado na bolsa, e eu não conferi com o Bebeto. Só nos demos conta da perda, quando já estávamos na estrada de volta para casa.

Foi difícil ver a dor do Miguel lidando com uma grande perda, pois por mais que ele saiba que o Jolinchen é um boneco, o vê também como parte da família. E foi bom ver a felicidade e lágrimas nos olhos dele no reencontro com o seu amigo. Melhor ainda foi ouvir ele dizer que o Jolinchen estava de volta e que o Papai do Céu é bom! Eu também quase chorei, o que não deve servir de referência para as outras mães, por que sou uma manteiga derretida. E por mais que o Bebeto não assuma, afinal os homens são durões, vi nos olhos dele o alivio e a felicidade pelo nosso filho.

Alguns pais se preocupam com essa fase dos amigos imaginarios, mas depois de ler muito sobre o desenvolvimento das crianças, posso afirmar que não existe nada de mais e que isso é super saudável, pois ajuda a criança a liberar os os seus sentimentos, a projetar os seus medos (que são muitos na infância), a lidar com as suas emocoes, a ter mais auto-estima e se tornar mais sociável. Claro que não devemos incentivar e nem permitir que o relacionamento com o imaginário, atrapalhe o relacionamento com outras pessoas. Mas, de forma alguma devemos criticar ou reprimir o mundo de fantasia da criança. 

Você que também já foi criança, vai concordar comigo: não tem fase melhor! Que pena que a gente só sabe isso depois que já passou. Mas, se a gente pensar bem, temos uma maneira de voltar no tempo, aproveitando cada fase dessa época que passa tao rápido. Proporcionar aos nossos filhos uma infância de fantasia e amor, dedicar tempo, carinho, paciência, suporte e intimidade é a porta mágica que nos leva de volta ao melhor tempo das nossas vidas, só que com a consciência necessária de que esse tempo passa quase na velocidade da luz, de que ele é que vai definir todo o resto dos nossos dias e que os o segredo da felicidade na infância (e também em todas as fases da vida) é o amor. Com ele tudo sempre dá certo!

30 de maio de 2012

Voltei

Olha quem resolveu aparecer! Pois é, a vida por aqui anda corrida demais e a minha inspiracão anda "de menos". Engraçado como em algumas épocas da vida de uma blogueira, apesar das novidades e inúmeras coisas para contar, ela não encontra vontade e nem sabe como voltar a escrever. Eu tenho me dedicado pouco a escrever aqui e no meu outro blog e confesso já ter pensando em deletar tudo. Tenho vivido um momento mais voltado aos meus filhos, ao meu marido e à leitura. Mas, foi o meu marido mesmo que me aconselhou a não deletar e a escrever devagar, sem cobranças, quando a inspiracao aparecer. 

É provável que eu volte a ter mais tempo a partir de setembro. O Miguel começará na escola nova e só voltará a tarde para casa. O Davi já vai estar maior, dormirá a noite toda (amém!!!) e estará mais independente(?). Será? Mas, a verdade é que o blog, além de ser algo que tenho feito para registrar os bons momentos que tenho vivido, sempre me trouxe boas amizades, grandes surpresas, muitos motivos para sorrir. Então, optei por não deletar, por não fechá-lo e por mantê-lo assim, atualizado quando eu sentir vontade.

Então aproveitando que hoje sobrou tempo e achei a vontade vamos as novidades: Davi fez 11 meses, continua com apenas dois dentinhos, mas está muito chatinho esses dias, o que parece ser o primeiro sinal que vem mais dente por ai. Começou a falar mãmãmãmãmã direcionado para mim e babababa para o papai. E desde um tempinho fica balbuciando "guiiiiiii" para o Miguelzinho. Uma graça! Engatinha a casa toda, já caminha segurando nos móveis e adora aprontar bagunça lá no banheiro. É um bebê muito simpático e cativa todos com o seu sorriso e olhar alegre.

O Miguel também tem se desenvolvido muito. Engraçado como passa rápido, eles crescem e se transformam em pequenos homens. Pois, o garoto já me falou que vai casar com uma mulher de cabelo amarelo(?) e que vai ter cinco filhos, três meninos e duas meninas. Ah, também já disse que vai ter uma Ferrari e que vai morar no apartamento amarelo da avenida principal, por onde passamos quase todos os dias. Pode? Um adolescente precoce! Agora deu para falar com o pai que torce para o cruzeiro, desgosto do papai que é atleticano roxo. Já sabe fazer pequenas subtracoes, o que as vezes me causa espanto, e sempre me causa orgulho. Dono de uma inteligência extrema (não é papo de mãe coruja, quem falou foi a terapeuta), de uma sensibilidade e carinho sem igual. 

Eu e o Bebeto estamos bem. Muito cansados, já que temos que acompanhar o pique desses nossos dois garotos. Também estamos preparando tudo para a mudança. Agora falta menos de um mês! Estamos cheios de trabalho e de grandes expectativas para o nosso futuro lá. São bastantes mudanças e tudo vindo de uma vez só. Mas, gracas a Deus temos colocado nossas ansiedades e expectativas em Deus, certos de que Ele cumprirá a sua perfeita vontade em tudo. E a última novidade: o verão se instalou de vez por aqui. Temos aproveitado demais os dias ensolarados e quentes. E para nós, não tem época melhor que o verão!

13 de maio de 2012

Hoje o dia é meu!

Há muito tempo atrás, quando eu era uma adolescente, sonhava em ter dois filhos. De uma certa maneira que não sei explicar, sabia que seriam dois meninos: Emanuel (Deus conosco) e Israel (Príncipe de Deus). O tempo passou, eu fui crescendo e descobri que não queria ter filho nenhum. Achava o mundo complicado e perigoso demais, e colocar crianças num mundo desses parecia uma carga pesada demais para mim. 

Depois eu dizia que teria um só, para alegrar o coração dos meus pais. Com minha visão limitada, fiz meus planos, pensei o que seria melhor para mim e para quem estava ao meu redor, sem saber que os planos que Deus tinha eram maiores que os meus. Eu não tinha dimensão do que era a maternidade. Eu ainda não havia descoberto que filhos são herança de Deus, dádiva que só Ele pode dar.

O Miguel, meu primogênito, veio para corrigir os meus caminhos. A chegada dele fez com que transpuséssemos o impossível, abriu caminhos que nada, nem ninguém, senão o Senhor, através dele, poderia abrir. Meu Emanuel tinha chegado, me aproximando dos planos que Deus tinha traçado para mim e para minha família. Ele veio mostrar o cuidado de Deus comigo e com o meu marido.

A chegada do Davi foi tao especial! Deus enviou um servo Dele na minha casa para dizer que Deus me daria um outro filho. Ele orou com as mãos no meu ventre e naquele momento Deus me tocou, confirmando que meu Israel, o meu pequeno príncipe, viria logo completar a nossa família e a nossa alegria Nele. No dia do nascimento do Davi, em meio a dores, pela janela do hospital eu vi num lindo céu azul, dois arco-iris; para mim a imagem e confirmaçao que Ele estava no controle de tudo. No meu céu brilhavam meus dois arco-iris, minhas duas promessas: Miguel e Davi.

Meus filhos são mais que planejei, muito mais do que sonhei. A maternidade é mais que tudo o que eu imaginei ou vivenciei antes da chegada deles. Hoje vejo que ser mãe é o maior ministério que Deus dá a nós mulheres. Uma grande responsabilidade, por que criar filhos vai além de alimentar, vestir, educar. Ser mãe é antes de tudo ajudar  na formacão do caráter do filho. É guiá-lo para que ele possa escolher o caminho certo. E foi Deus quem nos deu essa missão.

As vezes me questiono se estou no caminho certo. Me sinto tao fraca, tao impaciente; me sinto uma péssima mãe, uma mãe muito aquém da vontade de Deus. Essa semana mesmo, li tantos textos e testes na internet que falavam sobre os tipos de mães: mães zens, confusas, equilibradas, caseiras, rigorosas, tolerantes. E me perguntei, que tipo de mãe estou sendo para os meus filhos?

E depois de pensar muito percebi que uma boa mãe sabe que não existe um tipo certo de mãe. Nós, alternamos todos os tipos. A boa mãe sabe que ela erra o tempo todo, mas também sabe que o mais importante de tudo é o amor. E é somente o amor que vai nos fazer capazes de guiá-los pelo caminho e que vai ajudá-los a nunca se desviarem desse caminho, independente do que aconteça. 

Que hoje e em todos os nossos dias Deus nos abençoe, mamães! Que Ele nos dê sabedoria e discernimento para fazer as melhores escolhas. E que Ele nos atraia sempre para a Sua presença, nos fazendo enxergar o que realmente tem valor, para que assim, nossos filhos também possam ver e viver sempre o melhor. Se somos mães, não é por que escolhemos, mas por que Ele nos escolheu. E se Ele nos escolheu nos fortalecerá e nos capacitará sempre.

11 de maio de 2012

10 de maio de 2012

Metzingen: a cidade das compras


No fim de semana passado fomos para Metzingen, uma "cidade outlet" que fica próxima a Stuttgart.  A cidade é definitivamente o paraíso para quem gosta de compras. Uma cidade inteira de outlets e pequenas fábricas! Parece um sonho, né? São mais de 50 marcas famosas reunidas num só lugar, com descontos que vão de 30% a 70%. Apesar de não ser uma pessoa muito antenada com a moda e de não comprar minhas roupas por causa de marca, gostei muito do lugar e acho que vale a pena aproveitar as promocoes.

Como era um domingo especial, a cidade estava ainda mais cheia que o normal. Tinha loja que precisava fechar as portas a cada 10 minutos e só abrir novamente depois de algumas pessoas saírem. E tinha fila que exigia mais de uma hora de paciência. Por isso a primeira dica para quem vai conhecer a cidade, é evitar o lugar nos fins de semana ou ir preparado para enfrentar filas gigantescas.

O Miguel ficou a maior parte do tempo num "Kinderbetreuung", que recebe crianças acima de 3 anos e que oferece muitas atividades e brincadeiras enquanto as mães se esbaldam de fazer compras. Um "plus" que o lugar oferece e que facilita demais a vida das mães, por que fazer compra com criança pequena pode ser um pesadelo. Fiquei tao concentrada nas compras que acabei não me lembrando de tirar fotos. Mas, não tem problema, pois minha próxima visita já está agendada para o mês de junho, quando me mudo para a região.

Deixo aqui algumas das marcas que encontrei por lá e o site para maiores informacoes: Hugo Boss, Armani, Lacoste, Adidas, Nike, Joop!,Tom Tailor, Puma, Polo Rauph Lauren, Swacht, Fossil, Esprit, Escada. E minhas lojas preferidas: Milka, Lindt e Tchibo Prozente!

http://www.outletcity.com/de/metzingen/

Fonte da foto: http://www.linhart-foto.de/6.html

4 de maio de 2012

Das coisas que eu não sei explicar


Tem dias que tudo o que você quer é não fazer nada, muito menos cozinhar. Então você acha que está agradando o filho oferecendo uma pizza pronta, daquelas que é só enfiar no forno e esperar 12 minutos. Mas, o seu filho solta um bom e sonoro NÃO e ainda pede uma salada. Não entendo quem foi que esse menino puxou!


3 de maio de 2012

Feriado prolongado


 O fim de semana prolongado e ensolarado passou e já deixou saudades. Foram quatro dias em que curtimos a família e amigos que recebemos aqui em casa. Aproveitamos o fim de semana mais quente do ano, para passear em Konstanz, admirar a beleza do Bodensee, tomar muito sorvete e para divertir as criançada; não só a criançada pequena, por que teve até aula de Zumba e corrida de Ferrari para as crianças grandes. E viva o Xbox!
Eu estava precisando de um feriado. Apesar de não trabalhar fora, a rotina do dia a dia em casa, tem me cansado um bocado. Na verdade, acho que nenhum profissional, sem querer desmerecer a profissão de ninguém, trabalha mais que mãe e dona de casa. Nosso serviço não tem fim e exige uma energia enorme. E correr atrás de duas crianças pequenas, deixa qualquer pessoa, acima dos 18 anos, exausta e sedenta por fins de semanas e feriados.
No dia 17 tem mais feriado prolongado por aqui. E no dia 27 também! E sem querer ser esnobe, ainda temos feriado no dia 07 de junho. Feriado demais, né? Não posso negar que estou gostando, já que os próximos feriados prometem. Preciso empacotar tudo para a mudança e a melhor maneira de fazer isso é quando o Bebeto está em casa, para me ajudar com os meninos. E por falar nas crianças, esses meninos estão uma graça. O Davi mais simpático e risonho a cada dia e o Miguel mostrando que vai colocar o papai no chinelo no quesito inteligência. Agora até elogiar meu alemão, ele elogia; e quando precisa, corrige. No quesito beleza, deixo as fotos falarem por mim; eles não estão mais lindos a cada dia?

23 de abril de 2012

Carta para uma amiga

 Finalmente chegou! Um dia inteirinho só para comemorar você! Um dia inteiro para expressar o quanto você é especial para Deus e para cada pessoa que faz parte da sua vida! Ai, amiga... sua amizade é um tesouro; você é uma daquelas pessoas cada vez mais raras, verdadeira jóia preciosa... sorte de quem pode descobrir e valorizar o presente de ter você. A vida nem sempre foi justa, né? Quantas vezes vi pelos seus olhos, a tristeza da sua alma. Quantas vezes seu coracao se machucou e você viu seus sonhos se desfazendo bem na sua frente. Mas, o sorriso e a vontade de continuar, estavam sempre lá também. Você nunca desistiu. Embora caída, decepcionada, desiludida e ferida pela vida, a Lilian sorridente, sonhadora, repleta de amor e certa que um dia melhor chegaria, sempre vencia. Você sempre se levantou, ainda mais forte e determinada do que antes da tempestade te alcançar.

Você sempre venceu cada desafio que a vida colocou na sua frente. Nada, nem ninguém nunca foi empecilho para as suas vitórias. Embora, nem sempre você se veja como vencedora, não é? É que sua alma tem sempre sede de mais. Você é assim. O pouco não te basta, você quer mais. Quer viver tudo com toda a intensidade que puder. Quer um amor daqueles de tirar o fôlego e de te levar ao céu. Quer uma alegria que transborde e que contagie todos ao redor. Você quer mudar o mundo, transformá-lo não só para você mas para todos. Se eu acho ruim? Amiga, isso é o que temos de mais parecido! Amiga, voce é movida por paixão, sempre insaciável e só sabe amar de maneira desmedida!

O seu maior defeito ou qualidade,  provavelmente o motivo da maioria das suas lágrimas, é acreditar no melhor de todo mundo. É mergulhar de cabeça em tudo o que vem até você, machucando o seu coracao e ferindo sempre a sua alma. Sabe, amiga, a culpa não é do amor. Também não é das outras pessoas, por que nem todo mundo vê a vida da mesma forma, nem todo mundo é capaz de enxergar a alma do outro, como Deus te deu o dom de enxergar. Sim, você tem um dom. Você é capaz de enxergar bondade em algo ruim aos olhos dos outros. Você sabe amar sem preconceitos e eu sou um exemplo disso. Você sempre me respeitou e me amou de um jeito tao puro, mesmo eu sendo tao diferente de você.

Amiga, sabe o que desejo para todos os seus dias? Que você seja sempre assim como é. Que a vida nunca mude você. Que as dificuldades no caminho, não sejam capazes de arrancar de dentro de você essa gargalha gostosa, essa alegria, essa capacidade de sonhar, essa sede pelo amor... Eu desejo que você aproveite cada instante da sua vida ao lado do grande presente que Deus te concedeu: sua pequena Mei! Eu desejo que seus olhos sejam capazes de enxergar, que o seu ouvido ouça e que o seu coracao sinta o que Deus te diz nesse dia e em todos os outros: "Com amor eterno eu te amei, Lilian!" E que esse amor eterno transborde de você e que você seja feliz, feliz, feliz! 

Amiga, como eu desejo que você seja feliz! Como eu desejo que os seus olhos chorem apenas de felicidade, que todos os seus caminhos sejam de paz, que você tenha sucesso em tudo o que fizer, que todos os seus sonhos se realizem. Eu te amo, minha grande melhor amiga! E por isso hoje te ofereço o melhor de mim. Dobro os meus joelhos diante da grandeza do nosso Pai e oro por você com a certeza de que Ele ouvirá e derramará sobre você bencaos sem fim. Que o Senhor te abençoe e te guarde, minha querida!


20 de abril de 2012

Amor dividido, amor multiplicado!

Ontem o Davi fez 10 meses e não consigo pensar em mais nada a não ser: como o tempo passa rápido! Outro dia mesmo, chegava da maternidade com o Davi nos meus bracos, morrendo de dor por causa da cesária e achando impossível tomar conta dele e o do Miguelzinho. E agora já se foi quase um ano...

Ele está numa fase super engraçada, aprontando todas agora que não há nada que o impeça de passear leve, livre e solto pela casa. Basta uma piscada minha, para o pequeno engatinhar na velocidade da luz em direcao aos cômodos antes não explorados. Ele adora o banheiro, a cozinha e o quarto de brincar onde estão todos aqueles pequenos legos que o Miguel adora espalhar pelo chão. Vai engatinhando feliz, balbuciando babababa ou o novo caicaicaicai.

Já ensaia os primeiros passos se segurando nos móveis. Quer participar de tudo, comer tudo o que a gente come, abrir as gavetas, os armários. E de todas que ele já aprontou, o pior foi arrancar um monte de teclas do computador e enfiar tudo na boca. É guloso e geralmente adora tudo o que a gente dá pra ele. Mas, quando não quer, melhor sair de perto por que cospe tudo em cima da gente. E aja roupa para aguentar a sujeira que ele faz.

Adora a Galinha Pintadinha e o Mickey Maus. É o bebê mais simpático e sorridente que eu já vi na vida. Agora deu para fazer vômito e recusar o peito da mamãe, mas só durante o dia, por que nas madrugadas ele acorda umas cinco vezes querendo mamar e sentir o cheirinho gostoso da mamãe. Adora tomar banho, hora mais divertida do dia. Seu esporte favorito dos últimos tempos é escalada nas pernas da mamãe.

Não preciso dizer o quanto sou apaixonada por ele, né? Acho que expressei isso em cada linha que escrevi aqui. É engraçado que antes do Davi eu me questionava se era possível uma mãe amar o segundo filho tanto quanto o primeiro. E com a chegada dele eu descobri que sim. É como dizem por ai: "quando a gente divide amor, ele se multiplica".

16 de abril de 2012

Bom dia, segunda-feira!

O Miguel decidiu que de ontem para hoje nao queria dormir, então eu ainda estou no domingo, precisando de um bom empurrão para encarar que a segunda-feira fria e chuvosa já comecou.

Não quero ficar de mau humor, tarefa difícil para quem só dormiu às 4 e meia da manha, acordou antes das 7 e ainda está naqueles dias. Receita para começar bem a semana: uma xícara de café forte, uma boa música e algo para se lembrar a cada minuto de todos os meus dias, sejam eles bons ou ruins:

11 de abril de 2012

Sacudindo...

 
 Deixa eu sacudir um pouquinho essa página para ver se arranco as teias de aranha. Ah, já tá virando rotina vir aqui para explicar a correria da vida e depois sumir de novo. Ritmo que me deixa louca as vezes, mas que tem me deixado feliz na maior parte do tempo. Então abaixo um resumo do que tem rolado por aqui.

* Finalmente encontramos nosso apartamento novo. Se pular da janela esquerda, a gente cai num parquinho. Se pular da janela direita, a gente cai dentro do supermercado, do lado da padaria, pizzaria, feirinha e farmácia. E tem mais: fica a 5 minutos a pé da melhor escolinha da cidade. Ah, o melhor eu deixei por último: foi resposta de muita oracao, por que já estava praticamente alugado pra outra pessoa. Eu queria muito esse apartamento, mas não tinha como pagar 2 meses antecipados como a proprietária queria. Deus agiu, quebrantou o coracao dela, que abriu mão dos 2 meses antecipados e o contrato já está nas nossas mãos. Confirmacao de Deus de que lá é o lugar que Ele preparou para nós.

* Estamos investindo tempo e sonhando muito com a decoracao do nosso novo apartamento. Já escolhemos alguns móveis novos e agora estamos pensando nas cores das paredes. Já escolhemos também alguns adesivos para as paredes. O mais difícil dessa etapa, foi convencer o Miguel que o quarto dele não podia ser vermelho da cor da Ferrari que ele quer comprar. E olha, que não é Ferrari de brinquedo não. ;)

* A páscoa é o meu feriado favorito. Adoro essa época! Aqui na Alemanha o feriado dura quatro dias. Ficamos por aqui mesmo, por que o tempo não colaborou para a viagem que queríamos fazer e por que ando muito cansada. O Bebeto me descansou bem durante os quatro dias e eu consegui colocar o sono em dia, enquanto ele cuidava dos meninos. Foram dias deliciosos, com bastante chocolate, banhos de banheira com a família toda, brincadeiras, bons filmes e muitas conversas sobre o verdadeiro sentido da páscoa.

* Hoje eu e o Bebeto completamos quatro anos de casados. Estava olhando nossas fotos antigas e vendo quanta coisa a gente já viveu juntos e pensando o quanto ainda temos para viver. Gracas a Deus, apesar das lutas e dificuldades, temos construído uma linda relacao de amor e respeito. Somos realmente felizes, parceiros, amigos, companheiros e ainda nos desejamos tanto quanto antes. Peco a Deus que Ele esteja sempre no centro do meu casamento. para que sejamos sempre felizes.

Bom, acho que é hora de parar de escrever. Tenho que correr pra buscar o meu pequeno e o seu "grosse" (grande) jipe na escolinha.

1 de abril de 2012

A primeira vez no Zoo

A semana passada foi uma loucura, mas bem no meio da semana a gente ganhou um presente. Um dia de férias, com direito a muito sol e calor e um passeio delicioso no Zoológico de Stuttgart. Até hoje fico boquiaberta com tanta beleza reunida em um só lugar. Um dos passeios mais deliciosos que já fiz na vida.
Foi a primeira vez que levamos os meninos no zoológico e a expressão de felicidade e curiosidade do Miguel diante de tanta novidade é algo que não vou esquecer nunca. O Bebeto disse que eu parecia uma criança, encantada. Essa é a palavra para descrever aquele parque, zoológico, jardim botânico e castelo (sim, castelo): encanto!
Eu adorei tudo o que vi. Os pinguins e a sua alegria diante de um balde cheio de peixes ou depois de um delicioso nado numa água geladinha. O som dos passáros, os saltos dos leões marinhos, o colorido dos peixes. Agora me diz: tem algo mais lindo que um urso polar? E a preguiça gostosa daqueles bichinhos, gente!
Lá no zoológico tem uma estufa de floresta tropical, que imita a temperatura, humidade, fauna e a flora de ambientes tropicais. Não tem como entrar ali e não se sentir no Brasil. Sem falar na vista, nos campos convidativos para um piquenique, nas flores e nos outros bichos, cada um com o seu encanto e beleza. Não é a toa que mais de 2 milhões de pessoas passam pelo Willhelma todos os anos. Trinta hectares de pura beleza e garantia de diversão para crianças e adultos. Passeio imperdível para quem estiver na região ou um bom motivo para se passar por lá. Quer um outro motivo para passar por ali? Em breve a gente vai estar morando lá bem pertinho desse paraiso.
Para saber mais sobre o Wilhelma, clique aqui.

30 de março de 2012

14 de março de 2012

Pais separados, filhos desajustados

Acho que todo mundo sabe o quanto uma separação é dolorosa para o casal, mas acho que só os filhos de pais separados sabem de verdade o quão devastador é na vida deles. Tenho recebido muitas noticias de casais de amigos que tem se separado. Muitas vezes me assusto com o curto tempo entre o casamento e a separação. Fico bem triste por eles, mas me sinto aliviada quando sei que o casal não tem filhos. Eu não quero julgar, e nem posso, afinal cada um sabe as dificuldades que vive dentro das suas quatro paredes e os limites do que pode aguentar.

Ninguém quer viver infeliz, em meio a brigas constantes, numa relação falida e que só gera sofrimento. Quem não sonhou em se casar com o príncipe encantado ou com uma gueixa? Mas, sejamos bem sinceros, não há relação perfeita, nem mesmo em contos de fadas. A gente arrasta conosco para dentro do casamento a ideia de ter encontrado a pessoa perfeita. Aquela que vai te preencher em tudo, te surpreender sempre, que vai te ouvir e te compreender incondicionalmente. Nem passa pela cabeça da gente, que cada um traz uma vida inteira consigo e junto dela costumes diferentes, concepcoes diferentes, aprendizados diferentes dos nossos. E a maioria não está a fim de se adaptar, ceder e aprender a conviver com alguém diferente de si e diferente da fantasia que foi criada antes da rotina do dia a dia. Dai surgem as brigas, a incompatibilidade de se viver junto, a perda do respeito, da paixão, do amor.

Eu vivenciei tudo isso, desde muito cedo e sei bem o que eu estou dizendo. A separação, por mais amigável que seja, gera traumas. Não importa quão bem resolvido o filho seja, o quão amado ele sinta ou quantos anos ele tenha, a separação é sempre um impacto doloroso e que vai gerar marcas profundas e eternas. Marcas que nem terapia pode apagar. Tem dezoito anos que meus pais se separaram e eu ainda me pego pensando como a vida seria diferente se aquela sexta feira não tivesse existido. Guardo lembranças dolorosas demais daquele dia. Hoje sem mágoas, sem atribuir culpa a nenhum dos dois, sabendo que foram circunstâncias da vida. Mas, levei tempo para chegar aqui, sofri muito na caminhada e não posso dizer que me curei por completo da dor.

Pelas experiências dos dois, pelo sofrimento que passamos e com a maturidade, sei que eles fariam diferente. Eles teriam evitado brigas, principalmente na nossa frente, teriam escutado menos as pessoas de fora do relacionamento, teriam tentado entender a dor que cada um trazia de antes da relação e não teriam gastado tanto tempo punindo o outro por tudo. Eles teriam se respeitado mais, se amado mais e teriam colocado Deus à frente do relacionamento. Mas, o tempo não volta. A vida toma rumos diferentes dependendo do caminho que a gente toma; muitas vezes caminhos de mão única e sem direito a fazer retornos. E a maturidade não vem do dia para a noite. Muitas vezes levamos anos e anos, para enxergar as coisas com clareza, infelizmente.

Não acho que ninguém deva viver uma vida de sofrimento em função dos filhos, mas acho que deve-se pensar muito na vida que você vai oferecer aos filhos antes de trazê-los ao mundo. Filhos devem ser frutos do amor de um casal, de uma relação sólida de confiança, respeito e amizade. Não estou dizendo isso como a dona da verdade, a mulher que vive uma relação perfeita e que não vai errar nunca. Estou dizendo isso como filha de pais separados, uma filha que sofreu muito e que viu seus irmãos sofrerem com o fim do casamento dos pais. Uma pessoa que tem visto filhos de pais separados que vivem como iô-iô de um lado para o outro, no meio da confusão e disputa dos seus pais. Crianças que são usadas pelos pais para atingir e punir o outro pelo fim da relação. Outras, abandonadas pelo pai ou pela mãe, tendo que viver com a ausência e o peso da culpa do fim do casamento.

Eu nem sei por que eu escrevi esse post. Um desabafo, talvez. Uma necessidade de colocar para fora um turbilhão de sentimentos despertados pela noticia de tantos divórcios. Eu nem tenho fórmulas mágicas para amenizar a dor de um filho que passa por essa situação, nem conselhos para os pais. Eu apenas queria poder dizer aos meus amigos que estão grávidos, aos que tem filhos pequenos e grandes, aos que estão de casamento marcado e a mim mesma: cuidem bem do seu amor e dos seus filhos. Reguem todos os dias o relacionamento e cuidem um dos outros para que o amor se fortaleça. Não caiam na cilada de que existem relacionamentos perfeitos. Viver junto sempre será difícil e complicado. Cedam quando necessário, entendam as diferenças do seu parceiro e aprendam a viver com elas. Construam uma relação de amor e um lar feliz para os seus filhos, baseado acima de tudo no respeito. Ter filhos é um presente de Deus e criá-los num lar saudável, sem brigas e acusacoes, vai fazer toda a diferença no futuro deles.

P.S. É um assunto muito controverso, por isso quero deixar claro que tudo o que eu escrevi, foi inspirado na minha vida e nos meus sentimentos de filha, sem a intenção de magoar ou ofender ninguém. Cada um tem o direito de compartilhar a sua opinião, mas também tem o dever de respeitar o direito e os sentimentos do outro.