30 de março de 2010

As perdas da vida

Andei meio sumida do mundo virtual. No fim de semana um amigo nosso sofreu um acidente enquanto fazia um serviço voluntário na igreja de uma cidade próxima daqui e acabou perdendo parte do dedo indicador esquerdo. Ele está internado desde sábado e passamos os últimos dias dando uma forca para ele. Ontem fizemos uma festinha no hospital para comemorar o aniversário dele, com direito a bolo, pao de queijo e esfirra.

Não está sendo fácil para ele lidar com essa perda. Talvez você pense por um instante: "é só um dedo, poderia ter sido pior." Realmente poderia ter sido bem pior, mas nós não fomos feitos para aceitar facilmente a perda de um membro do nosso corpo. Não conheço ninguém que tenha passado por isso, sem trauma. E também não conheço ninguém que tenha lidado com isso estando distante da família, num país totalmente diferente do seu. Me coloco no lugar dele, no lugar dos pais dele que recebem noticias, mas que estão distantes e provavelmente sofrendo por querer estar ao lado do filho num momento tão difícil.

Esse amigo é uma das pessoas mais especiais que conhecemos por aqui. Dono de um alto astral capaz de levantar qualquer um junto com ele, humilde, sempre disposto a ajudar, paciente, amigo, educado, talentoso. Tenho certeza que ele vai passar por isso e que vai superar. Sei que nesse momento, sem forcas, ele se pergunta o porque dessa "injustiça" da vida. Me lembrei de uma charge que vi no blog da Jane. As vezes pedimos a protecao de Deus, uma pedra nos acerta e questionamos, nos indignamos. Não somos capazes de enxergar nesse momento que Deus colocou na nossa frente, levando sobre si todas as pedras gigantes que não nos alcançaram. Veja a charge aqui.

Nenhum de nós sabe o dia de amanha. Ninguém pode garantir que tudo o que se tem hoje estará aqui amanha, nem mesmo a vida. Em questão de segundos tudo pode mudar. E o que percebo é que tantas vezes nos apegamos a tão pouco e perdemos tanto tempo e tanta energia em coisas que não tem a menor importância diante da alegria de estar vivo e bem. Muitas vezes exigimos tanto para sermos felizes e não damos importância as pequenas coisas do dia a dia. É como se desejássemos um tesouro escondido num lugar distante e como se passássemos a vida tentando encontrar esse tesouro e por estar tão envolvidos nessa busca, deixássemos de enxergar as pedras brilhantes que estão por todo o nosso caminho. Pense nisso! Não deixe de valorizar as suas pedras brilhantes, viva a vida, agradeça por tudo o que tem hoje e espalhe amor. Não há nada que tenha mais valor que isso.

5 comentários:

Beth/Lilás disse...

Poxa vida, tadinho do rapaz!
Eu também, como você, me coloquei no lugar de seus pais tão longe e da angústia tanto dele em não passar o pior e deles em saber como estará o filho.
Deve ser terrível mesmo uma situação dessas e aconselho-a a dar toda a assistência em termos morais a ele, pois sua cabeça de homem deve estar muito perturbada com esta perda.
Querida, muita força aí nesta lonjura, muito amor de seu marido e proteção divina é o que lhes desejo!
bjs cariocas e vamos carpediá!

Eve disse...

Nessa vida a gente perde tanta coisa.
Mas, a sorte é que ganhamos outras para compensar.
Que ele fique bem e sempre tenha amigos como vc por perto.

Bjs!

Maira disse...

Pois é Liza... sempre penso nas coisas que escreveu, sabia? Nao sei... tem dias que olho em volta e percebo o qto tenho pra agradecer por tudo que tenho e por tudo que ainda posso conquistar. Mas infelizmente em um ano gasto muito mais tempo apegada as pequenas coisas, sonhando com coisas que talvez nem me pertencam e deixando de usar e viver o que tenho. Enfim, espero q seu amigo seja forte e supere isso, pois imagino q deve ser um trauma difícil de superar pra qquer um nessa situacao. Bjks e fica bem vc tb!

Mi disse...

a gente tende a sempre ver o lado negativo ou se questionar pq as coisas ruins acontecem. Mas muito poucas vezes a gente para pra pensar qtas coisas boas ja aconteceram e a gente nem agradece por isso. E vcs? vao vir aqui pra munique? =) bjs!

Sandra Santos disse...

Sinto pelo seu amigo! Espero que ele - e vcs - estejam se sentindo um pouquinho melhor!
Um beijo,
Sandra