13 de agosto de 2010

Sentimentos: Inveja

A inveja permeia as relacoes humanas desde que o mundo é mundo. Segundo o dicionário Michaelis "a inveja é o desejo de possuir algo que o outro tem". No livro de Zuenir Ventura, Inveja - O Mal Secreto, o autor diz que o "ciume é querer manter o que se tem, cobiça é querer o que não se tem e inveja é querer que o outro não tenha." Assim como o amor, o desejo, o medo, a inveja também faz parte de nós, mas nem por isso temos que ser guiados por esse sentimento ruim.

Talvez você se pergunte: como assim, Liza? Se todo mundo tem a inveja dentro de si, como não ser invejoso? Cada um de nós carrega dentro de si o bem e o mal, mas temos o poder de decidir qual prevalecerá. É uma escolha diária, individual e que faz toda a diferença. O que sabemos por tudo o que já vimos ao longo da nossa vida é que os frutos dos sentimentos ruins são sempre ruins. Ninguém espalha inveja e colhe conquistas, ninguém prejudica o outro e consegue paz e felicidade.

Gosto de pensar que vivemos num mundo cheio de espelhos invisíveis. Quando fechamos nossos olhos e oramos por alguém, quando sentimos amor e alegria pela conquista de outra pessoa, quando ajudamos alguém que precisa, estamos espalhando sentimentos bons. Então esses sentimentos que saem de nós, encontram esses espelhos que refletem o bem para aqueles que queremos ajudar. Porém, ao mesmo tempo, eles refletem de volta esse bem para a nossa vida. Dessa forma, somos igualmente abençoados. Da mesma maneira se espalharmos o mal, receberemos reflexos negativos das nossas atitudes e desejos. Pode parecer viagem, mas se você refletir, verá que essa é a mais pura verdade da vida.

Lembre-se: Mesmo que a inveja faca parte da sua natureza humana, você pode vencê-la, dominá-la. E o melhor caminho para vencer o mal é amar. Ame sempre, com toda a sua alma, com todo o seu coração, com todo o seu entendimento. Quem ama não se alegra com a injustiça, não procura seus próprios interesses, não inveja, não maltrata, não se ira facilmente. E não há mal que possa resistir, inveja que possa prevalecer diante de um sentimento tão puro e eterno quanto o amor.

Esse post faz parte da blogagem coletiva proposta pela Glorinha do blog café com bolo. Para saber mais da blogagem clique aqui.

12 comentários:

Lu Souza Brito disse...

Aqui você disse tudo:

"Cada um de nós carrega dentro de si o bem e o mal, mas temos o poder de decidir qual prevalecerá. É uma escolha diária, individual e que faz toda a diferença. O que sabemos por tudo o que já vimos ao longo da nossa vida é que os frutos dos sentimentos ruins são sempre ruins. Ninguém espalha inveja e colhe conquistas, ninguém prejudica o outro e consegue paz e felicidade."

Concordo plenamente com você.

Socorro Melo disse...

Oi, Liza!

Seu texto está ótimo.A menção aos espelhos invisíveis, comparando com os reflexos que os sentimentos, bons ou maus, podem nos trazer, foi bastante apropriada. Eu acredito nisso, e também, que, decidir entre o que prevalecerá na nossa vida, se o bem ou o mal, é escolha nossa.

Um grande abraço
Socorro Melo

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Liza.
Obrigado pelo comentário e visita no blog.
Gostei do que vc disse, que vivemos em um mundo de espelhos invisíveis.

E a cura para nossa inveja (e maus sentimentos em geral) se dá pelo amor.

Adorei sua postagem.

vc viu que no "causo" de hoje a figura central do meu post esteve ai...e falou muito bem em...holandês rs.

bjs e obrigado novamente

Lúcia Soares disse...

Liza, direto ao ponto. Invejar é basicamente querer que o outro não tenha o objeto desejado, nem a personalidde que tem, nem a beleza física, nem a alegria que emana...
Invejar é desejar aquilo e mais ainda o mal à pessoa invejada.
Sempre acreditei nesses espelhos, sempre soube que o que desejo de ruim a alguém volta pra mim. Da mesma forma, se desejo o bem, ganho-o de volta.
Beijo e bom fim de semana!

Nilce disse...

Oi, Liza

Concordo que através de pensamentos positivos refletimo-os para nós mesmos.
Mas, será que estamos absolutamente livres de sentir inveja?
O que podemos é canalizar estes desejos de termos o do outro para o nosso bem. Como?
Sabendo exatamente o que desejamos e o que podemos realizar, transformando a inveja em um motivador do que queremos conquistar. Fazendo-a trabalhar a nosso favor se procurarmos desviar seu foco para nossas metas e nossos objetivos pessoais.

Bjs no coração!

Nilce

Bia disse...

Oi Liza!

Gostei muito do seu texto, acho que vc conseguiu definir muito bem esse sentimento em poucas palavras!

bjs

Glorinha L de Lion disse...

Oi Liza, realmente é uma escolha pessoal, intransferível e diária. Temos que tomar muita conta da gente mesmo...bjs.

Amica Philosophiae disse...

Que post lindo!
Gostei muito da parte que vc diz que cada um carrega dentro de si o bem e o mal e o que importa é a escolha que fazemos...
Um abraço
Cynthia

Beth/Lilás disse...

Liza qeridinha!
Demorei, mas cheguei!
Estive sem conexão o dia todo, que saco!
Muito bonito teu post, principalmente porque compreende que para todos os males o melhor é o amor.
Inveja é um sentimento terrível e que está embutido na natureza humana, mas se deixarmos ele crescer em nós, poderá nos levar para o lado escuro da vida, por isso sempre o amor acima de tudo para livrar-nos desse mal.
um grande beijo e ótimo final de semana!

orvalho do ceu disse...

Olá,
A VERDADE nos liberta...
Tenhamos ótimo dia e reflexão com essa sugestão da Glorinha!
Abraços fraternais e serenidade para discernir...

Dani dutch disse...

Liza,
Não vou nem comentar, pois vc já disse tudo e concordo com seu post. bjuss

*Thalyta Allenkar* disse...

Adoreii teu bloog...
Tô te seguindo, se possível segue o meu:
http://blogdalitynha.blogspot.com/

kisses*